egrlgob0pAo fazer o orçamento da obra tão esperada, os custos podem se revelar mais altos que o próprio sonho. Mas isso não impede iniciar a reforma ou construção, sem perder de vista aquilo que se pretende ter como resultado final – basta começar pelas fases indispensáveis, deixando alguns dos itens mais dispendiosos e não urgentes para depois.

Importante é, tão logo, cumprir serviços essenciais a um imóvel habitável e com o mínimo de conforto. Estrutura, instalações elétrica e hidráulica básicas, vedações, impermeabilizações e revestimentos simples de pisos e paredes são itens básicos da construção civil e, mesmo que sem sofisticação, requerem qualidade.

“Aquilo que fica para depois não deve comprometer a ocupação da residência. É melhor postergar o revestimento caro, ou o metal sanitário de design mais moderno, do que desistir por algo que não é a preferência do dono da obra, de qualidade inferior”, pondera a arquiteta Acácia Furuya, do Apiacás Arquitetos.

No caso de um piso projetado para assoalho de madeira, pode valer a pena viver no contrapiso pronto por algum tempo, para receber o material nobre depois de fazer alguma poupança.

Enquanto o dinheiro não chega, outra opção é ter um piso de cimento queimado que substitua a madeira provisoriamente. O cimento queimado também poderá substituir pastilhas de vidro para as paredes.

Quando o assunto é metais sanitários, a qualidade não pode ser inferior. Segundo Acácia Furuya, é importante buscar marcas de renome no mercado, com produtos duráveis. Para o começo, há linhas e modelos mais simples e mais baratos – até que seja possível comprar a torneira almejada.

Materiais como cimento, por outro lado, estão entre os itens mais básicos e essenciais, com os quais não deve ser feita nenhuma economia. O cimento de qualidade é fundamental para o resultado final da construção, tanto no que diz respeito à resistência estrutural do imóvel, quanto à beleza no acabamento de paredes e fachadas de concreto aparente.